English Español

Pesquisa mostra necessidade em investir no transporte público

Levantamento feito no Recife (PE) evidencia uso de ônibus como preferência para deslocamento


Image title

O deslocamento das pessoas no Recife com foco no trabalho e na educação representam entre 80% e 90% do total de viagens realizadas em uma área urbana. Na capital pernambucana, essas viagens são feitas predominantemente usando o ônibus como principal meio de transporte, 47%, seguido de carro, com 25%. Já aqueles que vão caminhando para o trabalho ou para a aula, representam 12% a 4%, respectivamente. O metrô, por atender mais a área central e sul da cidade, é o menos usado pelos recifenses, com apenas 6% das viagens. Esses são os principais dados da Pesquisa Origem-Destino do Recife 2016, divulgada ontem pela Prefeitura do Recife.


Hoje, os resultados serão apresentados mais uma vez na reunião do Conselho da Cidade do Recife e estarão à disposição para consulta pública, também a partir de hoje, no site planodemobilidade.recife.pe.gov.br. O levantamento foi realizado entre novembro de 2015 e novembro de 2016, por meio da Secretaria de Planejamento Urbano do Recife (Seplan). Foram ouvidas 84.220 pessoas por meio de questionários online, aplicados pelo Instituto da Cidade Pelópidas Silveira (ICPS). A pesquisa teve como foco caracterizar as necessidades de deslocamento do Recife. Há 20 anos, o estudo não era realizado. O mapeamento ocorreu em 1997 e 1971, mas nas duas ocasiões não se restringiu à capital e abrangeu municípíos das Região Metropolitana.


Desta vez, mesmo tendo a capital pernambucana como centro dos estudos, foi possível atingir pessoas de municípios vizinhos, que trabalham e estudam na capital. Ao todo, foram analisadas 108 zonas de tráfego da cidade, que foram comparadas com diferentes faixas etárias e de renda. "Com a pesquisa, iremos contar com uma importante base de dados, que a partir de agora, será atualizada a cada dois anos. É uma ferramenta qualitativa de gestão fundamental para a administração pública", disse o secretário de Planejamento Urbano do Recife, Antônio Alexandre.


Os dados revelaram ainda que o ônibus foi o principal meio de transporte usado para os dois motivos de viagens, tanto para trabalho (50,25%) como para o educação (44,54%). No entanto, o percentual das pessoas que se deslocam a pé pelo motivo de educação, 15,49%, é sensivelmen5te maior do que quando o motivo é trabalho, o equivalente a 8,9%. Como o ônibus foi o meio mais usado pelos recifenses para seus deslocamentos, o secretário Antônio Alexandre ressaltou a importância de se ter um transporte público de melhor qualidade, de invertir na requalificação das calçadas e acessibilidade e no modo cicloviário.


Outro dado curioso é que o ônibus aparece como meio de transporte mais usado pelo sexo feminino para ir ao trabalho, com 50,01% dos entrevistados, contra 39,63% do sexo oposto. Já quando o deslocamento é para educação, o meio a pé, aparece mais equilibrado nas respostas entre os dois sexos, com percentual de 53,90% para as mulheres e 52,35% entre os homens. Quanto, a faixa de renda. Quem ganha até um salário mínimo, se desloca para o trabalho usando o ônibus, 65,9%, e aqueles que recebem mais de 20 salários, usam o carro, 77,19%.


Estudo será integrado ao uso do solo


A Pesquisa Origem Destino também irá auxiliar no planejamento territorial. Seu produto final, será integrado ao uso do solo urbano e servirá para orientar intervenções em toda cidade. Esses estudos implicarão tomadas de decisões que podem provocar mudanças significativas nos modos de deslocamento de pessoas, como a troca do uso de veículos pelo transporte público. "Recife precisa crescer mais em qualidade e não em quantidade", observou o presidente do ICPS, João Domingos.


Entre os que responderam ao questionário, 41,39% não moram no Recife, mas vêm à cidade para trabalhar ou estudar. Jaboatão e Olinda aparecem com destaque, com 8.384 pessoas e 6.057 pessoas, respectivamente. Fora da Região Metropolitana do Recife estão 2,03% das pessoas que responderam a pesquisa. "Isso mostra que o cidadão é metropolitano e que é impossível desconsiderar um plano de mobilidade que não contemple nossa Região Metropolitana. Planejar a mobilidade do Recife requer pensar nas outras cidades", diz Domingos.


Mais da metade das 58 mil respostas válidas, o equivalente a 56,58% das pessoas, residem no Recife. Gente como a estudante Ingrid Barbosa, 25 anos, moradora do bairro da Macaxeira, na Zona Norte, que pega ônibus todos os dias para ir à faculdade na Cidade Universitária. Ela, cujo pai é taxista, se queixou falta de segurança e qualidade nesse tipo de transporte. "Quem precisa usar o terminal integrado da Macaxeira, principalmente, durante à noite, como eu, sabe bem o que é isso. Infelizmente, nem sempre meu pai pode me pegar na saída aula à noite", comentou.


O TI da Macaxeira é mais usado por estudantes, com 18,12%, enquanto os TI Recife e TI Pelópidas Silveira, em Paulista, atendem mais as pessoas que se deslocam para o trabalho. "Os terminais, implantados na década de 80, têm importância fundamental nas viagens integradas, revelando um aumento da demanda de usuários", observou o secretário-executivo de Planejamento da Mobilidade, Sideney Schreiner.


Fonte: Portal NTU

___________________________________________________________________________

Dúvidas ou sugestões?

Image title


O cliente pode consultar no site do consórcio os horários pelo link: www.consorciofenix.com.br/horarios. Se desejado, entre em contato conosco pelo sac@consórciofenix.com.br. Você pode também abrir um chamado de dúvida pela página www.consorciofenix.com.br/contato ou mesmo nos ligar pelo (48) 3025-6868 em horário comercial. Escolha o canal que melhor lhe convém, aguardamos seu contato!